Jogando como um garoto, Murilo Becker destaca o Brasileirão: “Muitos jovens”

O Campeonato Brasileiro 2021 terá 100% dos jogos ao vivo. Em parceria com a TVN Sports, a CBB TV irá transmitir todos os 80 jogos do campeonato. Além disso, um jogo por rodada será disponibilizado ao vivo também no Facebook da CBB e da TVN Sports. O torcedor precisa acessar a  cbbtv.tvnsports.com.br , e fazer o seu cadastro gratuito na plataforma. Daí em diante, é só curtir os 80 jogos do Brasileirão! Além disso, uma partida por rodada estará disponível também no Facebook da CBB e da TVN Sports.

Aos 37 anos, Murilo Becker tem uma bagagem gigante nas costas. Campeão brasileiro em 2002, pelo Bauru, ainda um garoto, o pivô volta ao Brasileirão com o Joinville. São quase duas dezenas de times em mais de 20 anos de carreira profissional, mas o sorriso segue no rosto, a motivação é a mesma do começo da carreira, quem sabe até maior e a satisfação de ver tantos jovens atuando no campeonato e sonhando com um futuro na modalidade o fazem feliz.

Diante do Londrina, na segunda rodada da Conferência Hélio Rubens, Murilo foi eleito o melhor jogador em quadra, com 27 pontos, oito rebotes e duas assistências, tendo 31 de eficiência. Contente, ele brincou que estava com saudade de ganhar um troféu como esses. Recentemente, inclusive, Murilo, que também joga o 3×3 e criou uma equipe, foi convocado para a Seleção Brasileira e brigará por um lugar no time que joga o Pré-Olímpico em maio, na Áustria.

– Já estava com saudades (risos). Agora, falando sério, fico feliz de jogar com essa garotada, de ver o sorriso no rosto deles. De poder contribuir como eu puder. Parabenizo a CBB e todos por esse campeonato. Por dar oportunidade para que esses jovens possam atuar – disse Murilo.

Pela Seleção Brasileira, o jogador foi bicampeão dos Jogos Pan-Americanos, em 2003 e 2007, além de campeão da Copa América de 2005 e bicampeão sul-americano, em 2006 e 2010. Após deixar o Rio Grande do Sul aos 17 anos, ele se vê nesses meninos que hoje jogam o Brasileirão.

– Eu me vejo neles. Lembro de quando comecei. Tudo que tenho foi o basquete quem me deu e fico muito feliz por isso. Lembro de quando deixei o Rio Grande do Sul, joguei contra Josuel, Janjão, Oscar, Vanderlei e outros caras. Aquilo era demais para mim. E poder estar aqui hoje nessa mesma situação é muito legal. Se eu puder contribuir, ajudar na formação desses meninos, farei de tudo para ajudar o máximo possível – disse Murilo.